Birth of the Demonic Sword (BOTDS) – Capítulo 03


Poder


Noah não acreditava na existência da alma em sua vida anterior, afinal, viver é sobre experiências reais, não tendo lugar a religiosidade ou pensamentos espirituais. Mas, após o seu renascimento, ele começou a considerar a ideia que havia muito mais do que ele e as máquinas avançadas podiam enxergar.

Enquanto ele encarava o velho calmamente parado na beira da sacada, o qual aparecerá praticamente do nada, sua mente ficou confusa.

‘Um dragão aparece caçando uma ovelha. Então, neste mundo existem dragões. Então, a muralha iluminou-se e feriu o dragão, certo? Então, o dragão ficou furioso e queria queimar todos nós, mas o velho, que aparentemente é meu avô, o bloqueou com uma só mão, enquanto voava, depois, encarando o dragão, o fez recuar.’

Após um breve resumo dos eventos anteriores em sua cabeça, ele só teve um pensamento:

‘Onde diabos eu fui parar?!? Esse cara pode literalmente voar e lutar contra dragões e eles querem que eu os proteja?? Há algo errado com a cabeça deles? Espere, se eles querem que eu os proteja isso significa que posso ser capaz de aprender uma coisa ou duas.’

Sua linha de pensamento foi interrompida por Thomas entrando na sacada e lentamente caminhando na direção deles.

— Sim, Lorde Patriarca. Este é o Noah, meu filho com Rhys. —

Abaixando a cabeça, Lily gentilmente mostrou Noah a Thomas para que ele visse melhor o bebê. Talvez Lily quisesse usar essa ocasião para instigar um traço de amor em Thomas por seu neto, assim ele o protegeria no futuro, ou talvez, ela estava apenas assustada ao ver o velho patriarca do qual ela não poderia fazer nada a não ser exibir seu filho com mãos trêmulas.

Enquanto isso, Noah estava encarando o velho com olhos ardentes.

Ele nem percebeu a paixão e a curiosidade que seu olhar estava exibindo.

‘As pessoas deste mundo podem voar e lutar contra dragões! Velho, olha o quanto sou fofo! Me ensina a voar!’

Mas apenas sons saíram de sua boca, pareciam palavras, mas elas não tinham significado. Então Noah esticou seus bracinhos para Thomas, a fim de apelar aos seus sentimentos, apresentando um rosto alegre ao ver o patriarca que se aproximava.

‘Você luta contra dragões, mas ainda ama seus parentes, né?’

Nem precisa falar que todo o incidente com o dragão deixou uma profunda impressão nele. Afinal, dragões eram apenas lendas em seu mundo e eram símbolos de poder e invencibilidade. Enquanto seus poderes advinham da imaginação do outro mundo, nesse mundo, os dragões poderiam ser combatidos e você podia vencer.

— Ah. —

Olhando para o bebê alegremente esticando seus braços em sua direção, Thomas, não pôde deixar de mostrar um traço de afeto em seu rosto sério. Então, ele pegou Noah e o encarou com um leve sorriso.

— Ah, ele parece bem interessado em mim, com certeza há alguma inteligência nessa criança. Talvez ele realmente se torne um bom conselheiro da família. Ficarei de olho nele de vez em quando. —

Ouvindo isso, Lily ficou em êxtase e apressadamente o agradeceu da forma mais respeitosa que pôde pensar:

— Muito obrigado, Lorde Patriarca, tenho certeza que a segurança dele pode ser garantida por toda vida com apenas um olhar seu. —

Ela se curvou falando isso, com as duas mãos em forma de oração.

— Não existe tal ser que consiga fazer isso. Aqui, pegue o filho do Rhys e o leve de volta para o quarto. Os eventos de hoje não são algo para uma criancinha ver. —

Thomas devolveu Noah para Lily e desapareceu da sacada, depois que ele saiu, Lily não pôde disfarçar sua animação e continuou brincando com Noah.

— Você ouviu? Ele ficará de olho em você! O Patriarca da família Balvan ficará de olho no meu filho. Hahaha, isso é maravilhoso, e ele disse que você pode se tornar um conselheiro, isso é maravilhoso também. Não apenas meu filho será protegido por um cultivador poderoso, como também ficará longe do campo de batalha por toda a vida. —

Como mãe de um bastardo, Lily sabia que as perspectivas de Noah não eram as melhores se comparado com os outros descendentes da família principal, então ela ficou subitamente aliviada quando ouviu as palavras do patriarca.

Carregando Noah de volta para o quarto dele no centro do primeiro andar, ela não notou que o bebê em seus braços estava calado e que seus olhos ficavam cada vez mais determinados.

‘Um conselheiro, porra nenhuma! Qual é o ponto de dar conselho para pessoas com tais poderes? Qualquer problema pode ser tratado como o velho fez com a lança de chamas! E pensar que um poder como esse realmente existe! Preciso colocar minhas mãos nisso. Ainda que eu precise me arriscar um pouco, parece que a pureza da linhagem é mantida em alta consideração pela família Balvan, então, exibir algum talento pode atrair atenção indesejada dos descendentes da família principal. No entanto, preciso de alguma informação para realmente entender o que está acontecendo.’

De todos os livros que ele leu, ele podia imaginar que a luta pela sucessão ou mesmo a inveja de alguém com um status mais alto que ele, pode acabar em assassinato.

‘Já morri uma vez e foi por acidente. Não quero ser colocado em um esquema político e acabar morrendo novamente, sendo impotente sobre isso.’

Uma determinação nunca sentida antes percorreu através de seu corpinho, enquanto Lily se preparava para colocá-lo no berço.

‘Um mundo onde o poder não é dado aos homens pela sociedade que criaram. Um poder que parece vir do interior de cada indivíduo, um poder que pertence somente a si mesmo. Lily o chamou de “cultivador”, preciso encontrar algo sobre isso. Preciso aprender a andar e a ler o mais rápido possível, assim eu terei algum tipo de independência e ao mesmo tempo posso mostrar algum talento inicial na literatura. Isso pode me levar aos livros que descrevem o que um cultivador realmente é e como se tornar um.’

Daquele dia em diante, ele começou a comer cada vez mais, a fim de ficar mais forte e se livrar do corpo magro em que nasceu. Ele começou a tentar a andar, primeiro no berço e depois no chão, preocupando as servas ou sua mãe toda vez que caiu de suas tentativas de ficar em pé. No entanto, esse tipo de dor não era nada.

‘Uma bala no peito dói muito mais.’

E então, em apenas oito meses após o seu “renascimento”, Noah estava em pé no chão, dando seus primeiro passos.

‘Porra, isso é tão lento, preciso treinar isso. Devo começar a correr de vez em quando, para ficar mais forte e familiarizado com o meu corpo.’

Ainda que ele estivesse desapontado com o quão lento foi seu crescimento, Lily e as servas estavam atordoadas.

— Esse bebê está tentando andar por três meses, e agora, ele conseguiu. E o mais importante, toda vez que ele caía, ele não chorava, mas tentava andar novamente. Se nós não o parássemos toda vez, ele poderia ter sofrido um grande ferimento. —

As servas que estavam conversando foram totalmente ignoradas por Lily, pois um sentimento de orgulho a envolveu ao ver seu bebê andando com oito meses.

— Esta deve ser a bênção do patriarca, eu sabia que algo bom estava para acontecer desde aquele dia. —

Afortunadamente, ou não, a conquista de Noah foi depositada ao personagem sobrenatural que era Thomas Balvan.

No entanto, as surpresas no primeiro andar do prédio dos convidados estavam longe de terminar.

Depois de ter certeza que tinha um bom balanço, Noah deu passos lentos e cuidadosos na direção de sua mãe. Devagar mas seguramente, e com um pouco de apoio dado pela parede ao seu lado, ele chegou na frente de sua mãe sorridente.

— Venha para mamãe, pequenino, você fez um trabalho maravilhoso hoje. Mamãe está feliz! —

Falando isso, ela colocou um joelho no chão com os braços abertos, esperando que Noah chegasse ao seu abraço.

Noah olhou para ela e sorriu, depois se moveu com os braços abertos na direção dela e gritou no último momento antes de abraçá-la:

 — Mamãe! —

E então ele “caiu” no abraço de sua mãe, enquanto Lily e as servas o encarava com olhos arregalados.

‘Isso deve ser o suficiente para me dar uma educação infantil.’


Tradução/Edição: Empyrean


<Capítulo Anterior> <Índice> <Próximo Capítulo