Birth of the Demonic Sword (BOTDS) – Capítulo 2


Dragão


Desde o nascimento de Noah neste mundo, cinco meses se passaram.

Era primavera, ou ao menos era isso que parecia pelo que ele via em seu entorno. A mansão em que ele morava parecia uma casa de campo de sua vida anterior, porém, ela tinha o tamanho de um castelo e era quase toda feita de madeira, com uma muralha de pedras em seu perímetro.

Naquele momento, ele estava nos braços de sua nova mãe, olhando os arredores, enquanto ela caminhava pela mansão conversando com ele. Mal sabia ela, que Noah conseguia entender a maior parte do que ela falava.

‘O idioma desse mundo não é muito difícil, isso porque tem muitas semelhanças com o inglês do meu mundo anterior. Bem, isso é graças a Lily que nunca saí do meu lado e constantemente fala comigo.’

Ele passou esses cinco meses principalmente nos braços de sua mãe caminhando pela mansão Balvan, com Lily explicando as coisas mais aleatórias a ele. Graças a isso, ele tinha uma ideia geral de sua posição na família e de como a mansão estava estruturada.  

A mansão foi dividida em 2 círculos: interno e externo. O círculo interno era composto de um prédio de 4 andares e esse era o lugar onde a família principal vivia, o círculo externo tinha 2 prédios de 2 andares e um de 3 andares, e eles foram habitados respectivamente pelos guardas, servos e hóspedes.

Naquele momento, eles estavam no primeiro andar do prédio dos hóspedes, que estava reservado para eles, uma vez que ele tem o sangue da família principal e Lily era a amada prostituta de Rhys.

Rhys, o pai de Noah, era o terceiro e último filho do velho patriarca da família Balvan: Thomas. Dessa forma, mesmo que eles não tivessem acesso ao círculo interno, eles ainda poderiam viver uma vida confortável no círculo externo.

— Você deve crescer forte, queridinho, as pessoas do círculo interno o verão como um bastardo e não pouparão esforços para abusar e intimidar você, principalmente os netos e netas “legítimos” do patriarca. —

Ao ouvir isso, o humor de Noah ficou mais pesado.

‘Eu vivi uma vida sem sentido em um mundo cheio de concessões* e agora que renasci, preciso suportar ser intimidado por causa do meu status social, apenas para me tornar uma ferramenta para a família principal usar. Parece que viverei outra vida vazia.’ 

Lily continuou falando, mas a “cabeça” de Noah estava distante, tentando descobrir o que fazer nesta vida.

‘Se eu ficar aqui, provavelmente terei muitos benefícios, afinal de contas, a família Balvan parece bastante rica. Apenas não conheço o suficiente do ambiente externo da mansão, então, não tenho certeza das oportunidades que o mundo exterior tem a oferecer.’

Noah já estava pensando em fugir de sua família. Ele apreciava o carinho e os esforços de sua nova mãe, mas esses sentimentos estavam longe do amor que ele deveria ter por sua mãe.

‘Eu já tive uma família e isso não deu muito certo. Desta vez, não preciso passar por várias experiências para entender que tipo de pessoa sou, então, posso sempre escolher as coisas que mais me agradam. Se a vida no círculo interno for muito difícil pelo simples motivo de eu ser um bastardo, não me importo de abandonar a mansão. Além do mais, tenho 25 anos de experiência e de conhecimento de um mundo mais avançado, minhas possibilidades devem ser variadas.’

Pela roupa das pessoas, a estrutura dos prédios e do estado da mobília, ele podia imaginar que esse era um mundo sem eletricidade, muito atrasado no campo da tecnologia se comparado ao seu mundo anterior.

‘No entanto, isso também pode ser uma desvantagem, meus hábitos são da sociedade industrializada e meus pensamentos são os de um cara do século 21. Eu não sei como as pessoas aqui podem reagir a algumas ideias. Eu tenho que ser cuidadoso.’

Às vezes pensando sobre seu futuro, às vezes ouvindo sua mãe, o dia passou e a noite se aproximou. Lily andou até a sacada para ver as estrelas aparecerem no céu escuro. Noah aproveitou essa chance para estudar o ambiente fora da mansão. Fora da muralha de defesa, havia ovelhas pastando nos campos, havia uma grande estrada de pedra que começava do portão principal da mansão e se estendia à distância, cortando os campos verdes em duas metades. Em um campo que parecia milho, estava sendo cultivado ao seu lado direito, e uma floresta distante era mal visível à esquerda.

Era uma vista bonita, que Noah não estava acostumado a vir, e agora esse era seu novo mundo. Então, ele mudou seu olhar para o céu, parecendo vir a escuridão envolvendo a vermelhidão das nuvens devido ao crepúsculo. No início ela parecia um ponto distante, ficando cada vez maior à medida que avançava na direção deles. Só então, ele percebeu que algo estava errado. A escuridão não foi causada pelo entardecer, mas pelo contorno de algo que ondulava pelas nuvens.

Era rápido e estava ficando cada vez mais perto.

Em certo ponto, um rugido ensurdecedor passou pela pacífica casa de campo. Estava vindo da figura no céu.

Um corpo preto alado mergulhou das nuvens em diagonal, acelerando em direção ao rebanho de ovelhas do lado de fora da muralha da mansão.

Ele tinha de 7 a 8 metros de comprimento e grandes asas escamadas pretas, na verdade, as escamas cobriam todo o seu corpo.

Ele mergulhou tão rápido que Noah não conseguiu distinguir a diferença entre ele saindo das nuvens e sua aproximação do terreno que o rebanho de ovelhas estava.

Subitamente, a muralha alumiou de roxo e runas apareceram em sua superfície. Ela emitia um zumbido constante e alto, e a cor roxa da muralha se estendeu da casa de campo em direção ao rebanho.

A besta parecia perturbada em sua descida e tentou parar no meio-do-ar, abrindo suas asas.

Mas sua velocidade era muito alta e ele inevitavelmente caiu no chão onde o halo roxo estava indo, criando um imenso fosso.

No momento que o halo roxo tocou o dragão, a fumaça subiu do fosso e um rugido de dor soou no crepúsculo.

O dragão ascendeu ao céu novamente tão rápido quanto possível e encarou com olhos venenosos a mansão. A fumaça continuou fluindo de sua barriga, como se fosse um ferimento aberto. Aparentemente, o halo roxo tinha ferido o dragão.

Cheio de ódio, o dragão inspirou e então cuspiu chamas vermelhas em direção a mansão, tomando a forma de uma lança enquanto se aproximava do círculo externo.

Lily congelou de medo, vendo a lança de fogo vindo em sua direção, enquanto Noah também ficou atordoado pelo que estava vendo, sem reconhecer o perigo em que se encontrava.

Antes que as chamas conseguissem alcançar a muralha externa, uma figura apareceu no meio-do-ar entre eles.

Ele levantou a mão direita e murmurou algo, então a lança de chamas atingiu algo que parecia uma parede de ar.

O atrito entre as chamas e a defesa durou alguns segundos antes das chamas serem extinguidas e a figura flutuante fosse novamente visível.

Era um velho, com uma longa barba branca atingindo a cintura e cabelos compridos soltos, flutuando ao vento. Ele vestia um kimono chinês com mangas grandes, no entanto, a manga direita agora estava queimada, mostrando seu braço fino, porém musculoso.

Ele encarou o dragão e o dragão o encarou de volta.

Essa encarada durou cerca de 10 segundos antes do dragão rugir novamente e se virar para sair rapidamente pelo céu, em direção à floresta.

O velho esperou um pouco mais no ar acima do muro, olhando para a direção em que o dragão foi. Depois de ter certeza absoluta que a besta desapareceu, ele suspirou e desapareceu.

Lily ainda estava congelada de medo e não percebeu que estava segurando o frágil corpo de Noah com muita força.

A dor fez com que ele retornasse a realidade, quando ele soltou um gemidinho para acordar sua mãe de seu devaneio.

Lily voltou a realidade também, suavizando o aperto de Noah, ela estava prestes a dizer algo antes de ser interrompida por uma voz antiga e grave:

— Então, este é o meu último neto? —


Tradução/Edição: Empyrean


<Capítulo Anterior> <Índice>  <Próximo Capítulo>