Birth of the Demonic Sword (BOTDS) – Capítulo 05


Treinamento


A vida de Noah continuou passando. Seu cabelo longo preto continuou crescendo, e sua mãe os penteava com frequência. Lily continuou gerenciando o primeiro andar do prédio de hóspedes, ocasionalmente encontrando Rhys no meio da noite. Ela frequentemente implorava pra ele fazer mais pelo seu filho, expondo o interesse de Noah pelo cultivo e técnicas marciais, mas Rhys sempre rejeitava, escondendo-se atrás das regras da família principal.

— Não posso fazer nada sobre isso, Lily. As regras são rígidas, sua posição lhe permite apenas obter acesso às técnicas de nível baixo e isso só é permitido se ele mostrar alguns méritos na guarda da família e completar algumas missões. Você pode enviá-lo para lá e vir como ele se saí. —

Lily ficou triste ao ouvir essas palavras. A verdade era que Noah não gastava mais seu tempo na biblioteca desde que ele havia completado 8 anos, ele preferia ia ao prédio dos guardas fazer tarefas em troca de algumas “dicas” de combate.

Com a voz mais suplicante que Lily conseguiu fazer, ela perguntou a Rhys:

— Nosso filho é esperto, ele já descobriu que não há nada relevante sobre cultivo na biblioteca e voltou sua atenção para os guardas, esperando obter algo valioso. Ele agora tem apenas 10 anos, ele deve ter 13 anos para se juntar oficialmente aos guardas, mas ele vem fazendo tarefas para eles há dois anos, apenas para obter um melhor ponto de partida! Você não pode dar nada a ele? Você fez isso com os seus outros dois filhos… —

SMACK!!!!!

Um tapa atingiu a bochecha esquerda de Lily. Ela gritou um pouco e então se recompôs em uma posição meio ajoelhada, com a cabeça abaixada e com um gosto metálico envolvendo a boca.

— Lembre-se de sua posição! Lembre-se de que fui eu quem permitiu que você desse à luz esse bastardo e isso é apenas porque você pode aliviar a dor que sinto por minha esposa morta. Não se atreva mais a comparar o filho e a filha que Rebecca me deu com o filho de uma humilde prostituta. Você nunca deve esquecer que sou eu quem permite que vocês dois vivam. —

Tremendo um pouco, Lily respondeu:

— Sinto muito, meu lorde! —

E então ela se curvou completamente com a cabeça tocando o chão.

— Tsk, é melhor você se levantar e me compensar por me deixar com raiva. —


Ao mesmo tempo, no prédio dos guardas, uma criança de 10 a 11 anos, estava carregando dois grandes baldes de água para um grupo de guardas suando sob o sol.

Esse garoto era, claro, Noah fazendo tarefas para os guardas.

Desde que ele entendeu que não poderia conseguir nada lendo livros, começou a procurar outras maneiras de possuir técnicas de cultivo. Além de invadir o prédio do círculo interno e roubar os livros, o que era impossível, a única opção que ele tinha era entrar na guarda da família e obter méritos suficientes para ter acesso ao círculo interno. Seu professor o repreendeu por meio dia antes de desistir dele e voltar ao círculo interno, enquanto sua mãe apenas o abraçava e dizia:

— Tenha cuidado. —

Mesmo que Noah pudesse ver um traço de decepção nos olhos de Lily, ele não pôde deixar de seguir sua decisão. Ele não queria desistir e viver outra vida inútil e desagradável, agora que via esperança em ser mais do que um homem normal.

‘No entanto, ela realmente me ama. Depois de todo esse tempo, ela continua vendo aquele meu pai. Provavelmente é por minha causa que ela o suporta.’

Ultimamente, sempre que voltava aos seus aposentos, encontrava alguns novos hematomas no corpo de sua mãe e, no entanto, nunca viu Lily sem um sorriso quando ela olhava para ele.

‘Acho que devo me esforçar um pouco mais nessa vida. Acho que não posso viver feliz se não fizer o meu melhor para cuidar dela.’

Um leve sorriso apareceu em seu rosto após essa linha de pensamento. Infelizmente, ele foi interrompido por um guarda gritando com ele: — Ei, bastardo, porra, você está sorrindo como um idiota enquanto ainda carrega a nossa água? —

Ele voltou à realidade e correu para o grupo de guardas para entregar os baldes.

— Sinto muito, senhores, espero que seu treinamento tenha sido bom. Talvez você queira acalmar sua mente esbravejando sobre o quão difícil é o seu treinamento, quais são as posições mais difíceis de manter, como… —

— Cala a boca, o último cara que você enganou foi enviado pelo capitão para limpar as latrinas por três meses. Ninguém lhe dirá nada, mas se você quiser nos ajudar da forma habitual, aposto que haverá mais de um candidato. —

O guarda interrompeu o esquema de Noah antes mesmo de começar. Ele estava certo, porém, nos dois anos anteriores, Noah conseguiu obter algumas técnicas fingindo inocência diante de um guarda solitário e fatigado. Ele costumava escolher os que pareciam excluídos ou intimidados para poder iniciar algum tipo de conexão com seu status de bastardo e, em então, pedia a eles que mostrassem suas séries de técnicas para ficar “impressionado” e aumentar seu ânimo.

No ano passado, porém, o alto escalão do prédio dos guardas começou a perceber suas verdadeiras intenções e decidiram punir os guardas que estavam revelando informações importantes. Eles não ousaram puni-lo, desde que ele ainda era uma criança e, um bastardo, ele tinha o sangue da família principal em suas veias.

Quanto à “forma habitual de ajudar”, consistia basicamente nos guardas golpeando Noah algumas vezes até que ele estivesse no chão, como uma forma de “treinamento de combate”.

Deve-se dizer que o treinamento de combate ainda era uma ideia de Noah depois que ele não conseguia mais enganar os guardas. Afinal, em sua vida anterior, ele basicamente não tinha experiência em lutar, então teve que compensar isso.

— Acho que não há outra opção. Vamos “treinar”, deve ser divertido. —

O grupo de guardas aplaudiu quando ouviu a resposta de Noah e começou a jogar pedra, papel e tesoura* para decidir quem teria a sorte de ensinar uma lição naquele garoto cara de pau.

Enquanto isso, por hábito, Noah foi ao depósito de espadas de treinamento para escolher um sabre curto.

O prédio dos guardas apresentava um amplo pátio no centro, a fim de proporcionar aos guardas um local espaçoso e privado para treinar. Noah só conseguiu entrar graças à sua falsa inocência inicial e sua diligência em fazer as tarefas deles.

O depósito estava do lado do pátio, então, depois de alguns minutos, ele voltou ao grupo de guardas com um sabre curto e “cego”. Os guardas já estavam acostumados com esse garoto sendo capaz de brandir com bastante destreza o sabre com a mão esquerda.

— HAHAHA! Garoto hoje é a minha vez, eu ainda estou com raiva por causa da última vez. —

O guarda que estava a uma distância de seu grupo tinha 1,80 de altura e tinha uma musculatura forte. Ele era careca e tinha uma longa barba crespa, peito peludo e músculos inchados. De sua condição sem camisa, você poderia descrevê-lo como um modelo perfeito de soldado.

— Oh, vamos lá Micky, era apenas uma espada e nem era bem-feita! —

Ao ouvir isso, a raiva aumentou em Micky quando ele começou a se aproximar de Noah.

— Usar armas não será justo, já que você ainda é uma criança, então vou me limitar a usar meus braços “presos” ao sovaco. Eu sei que você está treinando a técnica rotação de Fogo e Gelo, por isso não espere que eu pegue leve com você. —

Micky correu em direção a Noah enquanto usava os braços em uma guarda cruzada para cobrir a cabeça e o peito.

Noah ficou na posição que aprendeu do caminho da espada e esperou a oportunidade certa, mudando seu peso da perna da frente, pronto para correr a qualquer momento.

Quando o guarda estava a um metro e meio dele, Noah correu abaixando-se para esquivar da investida do guarda e se esconder de sua linha de visão. Afinal, ele tinha basicamente a metade da altura do guarda.

Enquanto ele estava correndo, ele golpeou com o sabre na diagonal para a perna direita do guarda.

CLANG!

O som de metal contra metal soou quando um braço apareceu na trajetória do sabre. O guarda antecipou seu movimento.

Sem esperar mais, o guarda se atirou em direção a Noah com o objetivo de atingi-lo com o seu ombro já abaixado.

Ao contrário das expectativas, Noah não se esquivou, mas girou o pulso esquerdo segurando o sabre de uma maneira estranha. O sabre desapareceu por um segundo apenas para reaparecer no pescoço de Micky sem ele perceber nada.

‘Finalmente fiz isso numa luta real, acho que é hora de perder’.

Pensando isso, Noah soltou o sabre e deixou o homem corpulento atingi-lo no peito.

Ele voou por 2 metros antes de pousar no chão. Então ele se ajoelhou e tossiu um pouco de sangue.

— Você tem sorte de ter pegado leve com você, se eu usasse toda a minha força, você estaria acamado por pelo menos 6 meses. —

Depois disso, Micky vibrou, feliz por ter vencido uma criança de 10 anos de idade.

— Você é muito forte Micky, agora eu devo ir para casa e descansar. Sua força é difícil de suportar. —

Noah falou quando se levantou e correu em direção ao seu prédio. Quando ele estava na saída, ouviu o grupo de guardas rindo, com um grito de raiva no meio do riso, que parecia ser seu nome…

Em uma sala no prédio dos guardas, duas figuras encaravam o pátio do outro lado de uma janela onde o grupo de guardas “zoavam” um careca.

— Então, o que você acha dele? — Uma das figuras perguntou à outra.

— Ele claramente venceu a partida, mas ainda fingiu sua derrota. Ele está consciente de sua posição na família e tenta se manter o mais discreto possível, mas não pode desistir de sua busca pelo poder. Ele é certamente um gênio, os rumores não eram falsos. Eu não pensei que ele poderia aprender a técnica do pulso de cobra em menos de dois anos… —


Tradução/Edição: Empyrean


<Capítulo Anterior> <Índice> <Próximo Capítulo